terça-feira, 1 de maio de 2018

Portugal e o movimento das independências

·        A posição do regime Salazarista sempre se mostrou contrária à ideia da descolonização dos territórios ultramarinos, considerando que estes eram parte integrante de Portugal e não colónias.

·        Preparando a adesão à ONU verificada em 1955, o regime retirou da Constituição (em 1951) todas as referências ao Império, substituídas doravante por Ultramar, e as colónias, chamadas então de Províncias ou Estados.

·        A intransigência do governo português acabou por conduzir as colónias africanas à luta armada como único meio para a obtenção da Independência. Desta forma, nos anos de 1961 em Angola, 1963 na Guiné e 1964 em Moçambique, iniciaram-se as ações militares dos movimentos de libertação africanos, a que o regime salazarista respondeu com o envio maciço de tropas, dando início a prolongadas guerras coloniais.


Movimentos de Libertação

Guiné e Cabo Verde

P.A.I.G.C. – Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (Amílcar Cabral)




Angola

M.P.L.A – Movimento Popular de Libertação de Angola (Agostinho Neto)
U.P.A / F.N.L.A – Frente Nacional de Libertação de Angola (Holden Roberto)
U.N.I.T.A – União Nacional para a Independência Total de Angola (Jonas Savimbi)


Moçambique

FRELIMO – Frente de Libertação de Moçambique (Samora Machel)



·        Após a revolução de 25 de Abril de 1974, Portugal reconheceu, na ONU, o direito das suas colónias à independência e iniciou conversações com os movimentos de libertação para proceder à descolonização.

·        À excepção de Timor, ocupado ilegalmente pela Indonésia, todas as colónias portuguesas se tornaram independentes até ao fim do ano de 1975.

·        Uma das consequências da descolonização foi o retorno a Portugal de centenas de milhar de portugueses que viviam nas colónias.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.