quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Guerra Civil de Espanha

"GUERNICA" de Pablo Picasso
Exposta atrás de um vidro à prova de balas no Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, em Madrid, está Guernica, a obra que talvez seja a melhor expressão do horror e da brutalidade da guerra desde a série de águas-fortes Desastres da Guerra, de Francisco Goya (c.1810-1820).


Em 1936, quando a Guerra Civil Espanhola eclodiu, Picasso vivia em França. Leal à república, ele foi incumbido pelo governo espanhol de pintar uma tela para a Exposição Universal de 1937, em Paris. Em abril, contudo, a cidade basca de Guernica foi bombardeada durante um ataque nazi que matou 1.600 pessoas. Picasso inspirou-se nesse evento para criar a sua vigorosa obra de protesto contra os fascistas liderados pelo generalíssimo Francisco Franco.
A tela, com 3,5m por 7,8m, é pintada em cinza e branco. Os seus tons monocromáticos refletem a tristeza do evento e conferem à pintura uma impressão de relato. As suas exuberantes imagens dão vazão a várias interpretações - um touro, um cavalo, uma lâmpada; pessoas correndo, atónitas, com a agonia e o horror estampados no rosto, uma arma com uma flor e uma espada partida. Picasso, contudo,  recusava-se a esclarecer o possível significado desses símbolos. Já o significado da famosa imagem da mulher chorando sobre o corpo do filho morto é óbvio.
Na foto abaixo é possível termos uma ideia da sua dimensão:



Depois de ser exibida em Paris, Guernica circulou pela Europa, até ser mostrada no MoMA de Nova York. A obra retornou à Espanha em 1981, depois da morte de Franco, porque Picasso havia dito que o mural deveria voltar somente quando o país se tornasse uma democracia novamente.

Numa exposição, o general alemão Otto Abetz, governador da cidade de Paris durante a ocupação nazi, dirigindo-se a Picasso,  perguntou-lhe:
"Foi o senhor quem fez este horror?"
Picasso teria respondido:
"Não, senhor embaixador. Esse horror foi feito pelos senhores!"

in arteemerson.blogspot.com


A GUERRA CIVIL DE ESPANHA (síntese)

Desde a 1ª Guerra mundial que a Espanha atravessava uma grave situação económica, social e política.
  • 1923 – Ditadura Militar do General Primo de Rivera com a cumplicidade do Rei Afonso XIII
  • 1931 – Queda da Monarquia e instauração da República
  • 1936 – A “Frente Popular” (socialistas, comunistas e outros republicanos de esquerda) vence as eleições com maioria absoluta.
  • Reação violenta das forças conservadoras (Nacionalistas), chefiadas pelo General Franco que lidera a revolta militar.


GUERRA CIVIL (1936/1939)

NACIONALISTAS                      REPUBLICANOS

“General Franco”                         “Frente Popular”
Apoiantes
Apoiantes
  • Exército Espanhol
  • Itália
  • Alemanha
  • Portugal
  • URSS
  • Brigadas Internacionais (voluntários defensores da democracia)


  • 1939 – Vitória do General Franco que instaurou um Regime Ditatorial de tipo fascista, que durou até 1975 e cujo lema era “Franco manda e a Espanha obedece”.

CONCLUSÕES:

  1. PASSIVIDADE DAS DEMOCRACIAS OCIDENTAIS: a Grã-Bretanha e a França decidiram não interferir no conflito com medo que este se transformasse numa guerra mundial.
  2. CAMPO DE ENSAIO PARA A ALEMANHA: Hitler aproveitou a participação da Alemanha na Guerra Civil de Espanha para testar os seus homens e o seu armamento.
  3. PREFIGURAÇÃO DOS BLOCOS QUE SE IRIAM DEFRONTAR NA 2ª GUERRA MUNDIAL.



 









Um nome
Di-lo-ei pela cor dos teus olhos,
pela luz

onde me deito;
di-lo-ei pelo ódio,pelo amor
com que toquei as pedras nuas,
por uns passos verdes de ternura,
pelas adelfas,
quando as adelfas nestas ruas
podem saber a morte;
pelo mar
azul,
azul-cantábrico,azul-bilbau,
quando amanhece;
di-lo-ei pelo sangue
violado
e limpo e inocente;
por uma árvore,
uma só árvore,di-lo-ei:
Guernica!

Eugénio de Andrade

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.